Foto
07 abr

Rotação de culturas ainda é a principal estratégia para manejo de nematoides

Segundo pesquisador da Embrapa Algodão, a escolha do cultivar para os períodos de entressafra pode garantir o controle da ação do parasita

 

Estudantes e agricultores da região de Rio Verde (GO) lotaram o auditório da Casa da Embrapa na manhã desta sexta-feira, 07, para ouvir as soluções do pesquisador Nelson Suassuna, da Embrapa Algodão, para o manejo de nematoides fitoparasitas nos sistemas produtivos. Ao longo da palestra, parte da programação do último dia de TECNOSHOW COMIGO 2017, as principais espécies que atacam as lavouras foram apresentadas, bem como a forma como danificam as plantas e as formas para identificá-las.

 

“Basicamente, o nematoide ocorre quando há um desequilíbrio. Além disso, quando tem-se a mesma cultura, na mesma área por vários anos, a tendência é aquele nematoide, que estava ali em populações bem reduzidas, ir aumentando até chegar no ponto de causar dano e perda econômica”, destacou Suassuna.

 

Segundo o pesquisador, o manejo só será realizado de forma eficaz para o controle do nematoide com a escolha correta do cultivo que o solo irá abrigar nos períodos de entressafra, optando-se por plantas não hospedeiras e o uso de cultivares resistentes. “Tem produtores que fazem a rotatividade entre soja, milho e algodão e algumas espécies causam danos para as três culturas. Quando isso acontece, é crucial se fazer um histórico da área, com coleta de amostras de solos e raízes das plantas para saber qual o problema e escolher a melhor cultura para neutralizar a ação danosa”. Suassuna também orientou os produtores a evitarem a utilização de implementos e o trânsito de máquinas com solo infestado aderido a eles.

 


Compartilhe:

Google +